ÚLTIMAS NOTÍCIAS /

Gaeco prende ex-chefe da Polícia Civil...

Quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Visualizada 177 vezes


Delegado Marcus Vinícius Michelotto e mais 14 pessoas são acusadas de envolvimento com a máfia dos caça-níqueis de Curitiba e região. Entre elas, três policiais civis e cinco policiais militares

O ex-delegado-geral da Polí­cia Civil do Paraná Marcus Viní­cius Michelotto foi preso ontem de manhã, em Curi­tiba, por suspeita de envolvimento com o jogo ilegal explorado na chamada “mansão-cassino”, invadida por policiais rebelados em janeiro do ano passado. A prisão foi feita pelo Grupo de Atuação Espe­cial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Mi­nis­tério Público do Paraná (MP). Também foram detidos outro delegado, Geraldo Celezinski, e mais dois investigadores, cinco policiais militares e seis pessoas de fora das corporações. Todos por força de mandado de prisão temporária. Há informações de que de foram cumpridos dezenas de mandados de busca e apreensão. As investigações correm sob sigilo judicial.

A movimentação de viaturas e dos mais de 100 policiais mobilizados na operação chamou a atenção. Enquanto os jornalistas esperavam por informações do lado de fora do Gaeco, a todo momento veículos policiais chegavam com equipamentos, máquinas caça-níqueis e malotes com documentos apreendidos. No fim da tarde, o coordenador do Gaeco, Leonir Batisti, deixou o local sem responder a perguntas.

 

Os dois delegados estão detidos no Centro de Ope­ra­ções Policiais Especiais (Cope). Os nomes deles foram confirmados pelo advogado Mil­ton Miró Vernalha Fi­lho, do Sindicato de Classes Poli­ciais Civis (Sinclapol), e pelo presidente do Sindicato dos Delegados da Polícia Civil (Sidepol), Cláudio Marques. Os nomes dos outros presos não foram divulgados.

 

“Mansão-cassino”

 

A investigação do Gaeco começou a partir de denúncias feitas por policiais civis que invadiram a “mansão-cassino”, no dia 27 de janeiro de 2012, em uma ação de protesto contra a cúpula da Polícia Civil. Sem o comando de um delegado, eles entraram no casarão localizado no bairro Parolin, prenderam três pessoas e apreenderam 40 caça-níqueis. Havia suspeita de que o local também era usado para prostituição.

 

A ação iniciou uma guerra interna na corporação. Mi­chelotto classificou a operação como “miliciana” e “política”. Já os policiais que participaram da invasão alegam que passaram a sofrer perseguições. “Levamos as denúncias à Corregedoria, que ao invés de apurar a quem pertencia a mansão, passou a retaliar os policiais”, lembrou um agente que participou da ação. “Por isso, levamos as denúncias ao Gaeco”, enfatizou.

 

Vista grossa

 

Posteriormente, a Gazeta do Povo teve acesso a um documento que comprovou que o Narcodenúncia já havia recebido informações detalhadas sobre o cassino, descrevendo-o como ponto de tráfico de drogas, exploração sexual de adolescentes, jogos de cartas e exploração de caça-níqueis. Mas a investigação feita pela Polícia Civil concluiu, um ano depois, que não havia prostituição no local e que “em sua esmagadora maioria os frequentadores eram pessoas de idade avançada”.

 

Advogado diz que prisão foi “desnecessária”

 

Os advogados Rodrigo Sán­chez Rios e Marlos Arns, que representam o delegado Marcus Vinícius Michelotto, classificaram como “desnecessária” a prisão do ex-chefe da Polícia Civil do Paraná. Na avaliação deles, o Gaeco poderia concluir as investigações e, eventualmente, oferecer denúncia à Justiça sem a prisão temporária do policial.

 

“Se é um fato pretérito, a necessidade de prisão se esvazia”, disse Rios. “Ele tem endereço fixo, é um servidos público exemplar,não havia necessidade disso”, reiterou. Ontem, os advogados analisam o teor do pedido de prisão para decidir que medidas tomariam.

 

O presidente do Sindicato dos Delegados do Paraná (Sidepol), Cláudio Marques, esteve no Gaeco e considerou estranha a ação do Ministério Público. Ele destacou que a operação ocorreu no mesmo dia em que o Conselho Superior do Minis­tério Público votaria pela renovação ou não da licença que autoriza o procurador de Justiça, Cid Vasques, a permanecer no posto de secretário de Segurança Pública do Paraná.

 

De acordo com ele, a prisão de Michelotto tornou-se algo pessoal para o Ministério Público. “O Gaeco quer fazer investigações, mas não tem estrutura e não tem coragem de fazer investigações no que realmente importa, que é o crime organizado.”

 

“Show midiático”

 

O advogado Milton Miró Vernalha Filho, do Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná (Sinclapol), classificou a ação como um “show midiático”. “Tudo indica que há uma usurpação da função pública por parte do Gaeco. Parece que é um projeto político do Gaeco para tomar a Polícia Civil para si. Se trata de um show midiático para atingir o secretário [Cida Vasques] e o governador [Beto Richa]”, disse.


 Galeria de Fotos

 Outras Notícias

Rua Marcelino Alves de Alcântara, 133 - Cep: 86650-000 - Santo Inácio - Paraná - (44) 3352-1222 prefeitura@santoinacio.pr.gov.br