Covid-19

COVID-19

Dengue

PORTAL DA
DENGUE

X

Sem a Copa, Curitiba pode ter preju?zo de R$ 1 bilh?o...

Segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Última Modificação: 09/06/2020 16:51:40 | Visualizada 230 vezes


Ouvir matéria

Estimativa tem como base a movimentação projetada pelo setor de turismo para os quatros jogos da 1ª fase

O atraso das obras da Arena da Baixada e a possibilidade de que Curitiba deixe de sediar os jogos da Copa de Mundo de 2014 colocou empresários do setor de turismo em alerta. Caso isso ocorra, a estimativa é de que o prejuízo mínimo supere o valor de R$ 1 bilhão. A projeção é do presidente da Associação de Bares, Restaurantes e Casas Noturnas (Abrabar), Fábio Aguayo, com base na movimentação prevista para o período dos quatro jogos classificatórios da 1ª fase, agendados para ocorrer em Curitiba.

O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), Henrique Lens Cesar Filho, calcula, se isso ocorrer, um prejuízo mínimo de R$ 78 milhões, apenas com as diárias dos hotéis que deixarão de ser recebidas. Nesta conta, ele considerou apenas as diárias dos 13 mil leitos bloqueados para a Federação Internacional de Futebol Associado (Fifa), a um custo médio de R$ 300 por 20 dias — período de realização dos jogos na Capital paranaense.

Cesar Filho ressalta que vários hotéis foram construídos com o objetivo de atender aos turistas da Copa do Mundo. “Aqueles que já existiam investiram em reformas, reengenharia das instalações e readequação dos restaurantes”, relata.

Além do prejuízo financeiro, Curitiba poderá arcar com um alto prejuízo moral e político. “Curitiba vai ficar com a imagem de caloteira e totalmente desmoralizada diante da comunidade internacional”, afirma Cesar Filho. “O maior prejuízo será com relação à imagem da cidade. Aquele que realmente não tem preço, como diria a propaganda de um cartão de crédito”, argumenta Aguayo.

O presidente da Abrabar questiona a Secretaria Especial para Assuntos da Copa. “Ela foi criada para evitar situações como essa e, pelo que está claro, não cumpriu o seu papel”, afirma. Ele cita a comissão tripartite criada para gerenciar o andamento das obras de preparação para o campeonato mundial.

“Não chamaram os empresários e nem a sociedade, e tampouco a sociedade se movimentou para participar, como aconteceu em Natal, onde os moradores da cidade montaram uma comissão popular para acompanhar tudo.”

 

 Galeria de Fotos

 Veja Também