Covid-19

COVID-19

Dengue

PORTAL DA
DENGUE

X

Pescadores de desilus?es...

Segunda-feira, 08 de setembro de 2014

Última Modificação: 27/08/2018 18:57:07 | Visualizada 250 vezes


Ouvir matéria

O Litoral tem a maior taxa de evasão do ensino fundamental no Paraná. Dificuldades de deslocamento até a escola e falta de perspectiva de emprego qualificado levam os jovens a abandonar os estudos para trabalhar

Nenhum dos seis filhos do casal Lurdes e Arlindo Mendes Martins concluiu o ensino fundamental. A família vive em Itaquanduva, uma pequena comunidade de pescadores à beira de rio de mesmo nome, distante 19 quilômetros (pelo mar) da cidade de Guaraqueçaba, no Litoral paranaense. Todos foram deixando os estudos de lado pela necessidade de trabalhar, somada à dificuldade de acesso às escolas. Com isso, ajudam a colocar a região como a que tem a mais alta taxa de evasão escolar do ensino fundamental do Paraná. Entre os alunos matriculados no Litoral, 2,6% largam os estudos. O índice é bem maior que a média do estado: 1,6%.

 

Quem chegou mais próximo de concluir os nove anos de ensino básico na família Mendes Martins foi Rosieli, de 20 anos. Ela largou a escola em 2013, no último ano do fundamental. Isso ocorreu após descobriu que não teria como fazer o ensino médio porque o curso é ofertado somente à noite para as comunidades ribeirinhas. Como a navegação noturna é proibida pela Marinha, devido ao risco de acidentes, a prefeitura de Guaraqueçaba não pode contratar o transporte escolar com barcos nesse horário. “Fiquei com preguiça de ir para escola”, diz a garota, que queria ser professora. Desde então, ela tem ajudado os irmãos a mariscar siri para vender.

A mais recente baixa escolar na família foi Alex, de 18 anos, que abandou o 6.º ano no início de 2014. Agora, dedi­ca-se à pesca de tainha e à coleta de siris. “Dá para tirar de R$ 10 a R$ 15 por dia”, diz. Micheli (22 anos) engravidou quando cursava o 5.º ano. “Tenho vontade de estudar, mas aqui não tem como. Espero voltar um dia.” Já Rafaela (24) não terminou a 4.ª série para trabalhar como doméstica.

Transporte marítimo

Todos da família precisavam pegar barco para chegar ao colégio, distante 10 quilômetros pela água. Em Itaquanduva, a única escola da comunidade tem uma turma multiseriada até o 5º ano. A partir de então, a oferta de ensino acontece na Ilha Rasa, que oferece do 6º ao 9º ano do ensino fundamental e médio.

Guaraqueçaba mantém 30 escolas municipais nas diferentes comunidades espalhadas pelo município, mas somente até o 5º ano – como em Itaquanduva. Apenas cinco escolas estaduais oferecem a conclusão do fundamental e do médio. Com isso, boa parte dos alunos depende de deslocamentos diários para estudar. Há casos de alunos que enfrentam até duas horas e meia de barco, segundo o secretário de Educação da cidade, Thomas Victor Pinto Lorenzo.

Ao todo, 103 alunos dependem do transporte escolar marítimo em 11 linhas diferentes. “São dez barcos com motores a diesel, que são mais lentos, e só uma voadeira”, detalha o secretário. Para ele, facilitar o acesso é um dos fatores primordiais para reduzir o abandono escolar.

Jogar a rede

Pedagoga e professora em Itaquanduva, Katia Fernandes Miranda acredita que, além da distância, o trabalho é o principal motivo do abandono. “O pessoal crê que, para jogar rede e pescar, não precisa de estudo”, confirma Angelo Fernandes, secretário do Colégio Estadual Ilha Rasa.

As dificuldades de acesso à escola influenciam outro fator: a qualidade do aprendizado. Guaraqueçaba tem as piores notas do Litoral no ensino fundamental, de acordo com o Ideb de 2011. Apenas 2,8% dos alunos aprenderam matemática de forma adequada. Em português, foram apenas 8,7% em português. As médias do Paraná são de 14% e 25%, respectivamente.

Potencial turístico

O Litoral tem a menor economia do Paraná. Segundo dados de 2011, a produção de riqueza foi de R$ 5,3 bilhões. Em número absolutos, a região também tem o menor número de pessoas com carteira assinada: 57,6 mil.

O turismo, que é uma das vocações do Litoral e poderia melhorar a renda da população, ainda tem um potencial inexplorado. O presidente do Sindicato dos Lojistas de Paranaguá, Said Khaled Omar, acredita que, para dinamizar a indústria turística, é preciso justamente elevar o nível educacional da população. “Precisamos de mão de obra especializada, com cursos profissionalizantes para atendimento em hotéis e restaurantes. É necessário aumentar a qualidade da oferta do turismo, incentivar os empresários a melhorar e criar novos negócios.”

O diretor do Cen­­tro de Pes­­quisa do Insti­­tu­­to Pa­­ranaense de Desen­­vol­­vimento Econômico e Social (Ipardes), Julio Takeshi Suzuki Júnior, lembra que a região precisará encontrar uma forma de crescer economicamente nos próximos anos sem prejuízo às belezas naturais, que atraem os turistas. “O desafio do Litoral será ter um desenvolvimento sustentável mesmo com as demandas de investimento para o pré-sal e de novos portos. Como absorver tudo isso e manter a preservação ambiental?”, questiona.


 Veja Também